sábado, 29 de maio de 2010

TERÇA - FEIRA NO PROGRAMA LADO A LADO



Pronto, a Teresa Mizon lançou o desafio e eu aceitei. Vamos conversar sobre Criatividade e desta vez o nosso olhar estará mais direcionado a Criatividade Literária.
Vamos falar de livros e processos de escrita criativa.Carregadinha de novidades e não só, vou falar de Albuns Ilustrados e de editoras como Planeta Tangerina e Bruáa.
Um pequeno puxão de orelha aos livreiros preguiçosos e as editoras que já desistiram de fomentar o sonho da literatura.
E lá vamos nós...
Mas não falaremos apenas de opções de leitura, e que tal conversarmos sobre este gosto em criar histórias?e o brincar na escrita?
Saídos do forno, estão alguns exercícios criativos executados por docentes.Ocurso aconteceu no Centro de Formação do Sindicato dos Professores,na foto estávamos com a mão na massa. Vale a pena conferir.

FESTA DO LIVRO NA ESCOLA EB1 DE CIMA

E aqui estou eu, mortinha de cansaço,mas feliz. Foi uma semana intensa e plena em afectos. Escolas,lares,cursos e Workshops,tudo muito bom.
Gente cheia de confiança e garra, e finalmente, muita,muita risada pelo meio.
Mas vamos falar de Feiras do Livro e de Escolas. O Dragão que queria ser Bombeiro,ainda apronta das suas e os convites ainda enchem a agenda.
Este menino já fez dois anos e sinceramente, não esperava que os leitores gostassem tanto do livro e muito menos entrar no Plano Nacional de Leitura.
Porém outro fenômeno me impressiona, o acolhimento das pequeninas peças que criei,perante o público infantil.Todo mundo fala, no meio editorial que peças de teatro não vendem,que os meninos não lêem teatro,blá,blá,mas fico toda contente quando vejo os pequeninos, com um livrinho do Temível Drácula, a espera de um autógrafo.

Para que dedicou toda a vida ao ensino do Teatro,não existe melhor presente,do que ver um nova geração apaixonada por arte dramática.
E foi isto que pude assistir na Feira do Livro da EB1 da Terça de Cima. Os professores criaram um clima de partilha e convidaram outras escolas também,enfim houve música,  riso e teatro, e claro não posso deixar de contar...deliciosos bolos!

quarta-feira, 26 de maio de 2010

SOBRE A AUTENTICIDADE E OUTROS BICHOS...

Lembro-me de quando era pequena, me contarem esta história. Fazia parte de uma coleção de Fábulas de Monteiro Lobato. Eu, que em criança não perdi um capitulo de O Sitio do Pica Pau Amarelo, me apaixonei pela história no primeiro instante. E não me canso de repeti-la onde quer que eu vá.
O melhor mesmo, se quiser ter uma vida,que valha a pena ser vivida, é não ouvir o que os outros pensam sobre si.Há loucos pelo caminho...

UM CONTENTAMENTO QUE NÃO TEM FIM

Hoje estou em contentamento,estou... como se tivesse assas nos pés.
Há dias que nos sentimos assim,contentes, como se tudo fosse uma festa,como se tudo estivesse novinho,pronto por estrear.
Que bom seria poder distribuir este sentimento pelos dias,ou transforma-lo em fragância que se espalha no corpo em dias comuns.
Mas sei que o contentamento,assim como o perfume, se evapora.
Por isso, vou aproveitar esta dança,vou dançar nas pontas dos pés até que a noite se transforme em dia.
E depois ,cansada de tanta alegria vou me desfolhar e voltar a me sentir comum,como  a maioria dos mortais.

domingo, 23 de maio de 2010

A MELHOR MANEIRA DE DESPERTAR O GOSTO PELA LEITURA

É muito simples,ouvir histórias e mais histórias...

QUE GENTE TÃO MAZINHA!

Há um certo número de pessoas,que deviam pagar impostos para existirem. Sei que este blog é sobre Criatividade e Educação, não é um livro de reclamações ou coisa que o valha, mas há gente que nos tira do sério!
Gente que compara as notas,Gente que diz que o seu trabalho é caro, Gente com mania de grandeza, e Gente que telefona sem parar, a falar horas e horas das coisas mais inúteis do mundo!
Mas que gente tão chata!

NÃO TENHO O MENOR JEITO PARA PINTAR

E foi assim que desafiou a página em branco.Olhou-a com ar de desafio e depois de um leve suspiro, inclinou-se para a mesa, deixou o queixo a cair nas mãos e disse:
-Não tenho o menor jeito para pintar.
Nestes momentos, o melhor mesmo é ficar calado,encontrar o olhar mais empático que possamos ter, e manter o ambiente calmo,sem expectativas.
Não sei porque vivemos numa época em que não se consegue suportar o vazio. Temos que rapidamente oferecer soluções para tudo. Se alguém tem uma dor, desenterramos uma receita do tempo da avó para dores musculares. Se alguém fala de um problema, rapidamente outra pessoa, já começa a contar as suas lamurias.
É impossível habitar o vazio. Mas como compreendo que estar vazio faz parte das nossas perdas e reconstruções, permaneci calma.Eu mesma,durante muito tempo acreditei que não sabia pintar, foi uma herança causada por professores da velha guarda que acreditavam que a beleza plástica, nasce de um desenho baseado na observação da realidade.
Calei-me,mas não me dei por rendida, estendi uma folha de papel cenário e a assobiar uma canção,  espalhei tintas por todos os lados.
A menina olhou para o papel e ligou-se a imagem, melhor que isso ,sentiu o prazer e o desprendimento que eu tinha no simples ato de pintar.Percebeu que não pintava, brincava com as cores .E assim, levantou-se e  deu movimento as tintas
Depois, sentamos juntas em silêncio, com um leve sorriso nos lábios.
Afinal,quem disse que a pintura não pode ser a nossa arte?

quinta-feira, 20 de maio de 2010

A MINHA FILHA É UM TALENTO

Entra uma senhora bem vestida...


-Boa tarde professora, vim falar consigo por causa da minha filha.
- Está bem, o que é que se passa?
-Sabe, a menina tem muito jeito para fazer teatro, eu acho mesmo que é um espanto. É mesmo um talento a minha menina.


Olho desconfiada para uma menina com cara de poucos amigos, que me espreita com um ar assustado.


-Mas...quantos anos tem a sua filha?
- A minha Sara, tem 5 anos!
-Hummmm...
-Tem algum problema?
- Não, nenhum. Ter 5 anos é mesmo fascinante, mas só temos vagas para crianças com 7 anos, sinto muito.
- Mas professora, a menina é um talento!


Neste instante, a menina faz um beicinho de choro, o ambiente fica levemente tenso.


- Professora,veja se arranja uma vaga para a coitadinha.Ela gosta muito de teatro,no Auto de Natal deste ano, fez de coelho, linda a minha menina.


Pelo ar triste da menina, vejo logo que isto de se vestir de coelho e fazer parte do presépio da paróquia,não foi nada tarefa fácil.


-Infelizmente só fazemos inscrições para o teatro a partir do 7 anos, é uma regra.Mas aqui no centro temos outras actividades,temos ballet,fantoches, artes plásticas...


Neste momento os olhos da menina brilham-"artes plásticas"-estava quase escrito na testa, tão simples. A menina olha-me com olhar cúmplice, e eu disparo.


-Sabe, se desejar, posso pedir a professora de pintura para encontrar uma vaga para a sua filha.
-Boa mãe!Eu gosto de pintar.
-Tá quieta filha. Mas que falta de educação interromper as pessoas...
-Se a sua filha gosta de pintar, lhe aconselho a inscreve-la na actividade.


A menina sorri e eu lhe pisco o olho.


-Então, não tem mesmo um jeitinho para entrar no teatro?
-Só com 7 anos.
-Então vamos Sara,obrigada professora.


A mãe sai com a sua filha, mas ainda há tempo para ouvi-la dizer.


-Oh Sara, porque não gosta de teatro? O meu sonho era fazer teatro desde pequena.Além do mais,a pintura é mais caro.

Entrevista Criatividade para Pais

segunda-feira, 17 de maio de 2010

OLIVER, UM CLÁSSICO

Mas uma vez a pensar sobre Arte Infantil ou Juvenil, encontro esta pérola dos musicais. Oliver, a história de um orfão, que passa por várias aventuras até encontrar uma família e o amor.
Retrata de forma real, os maus tratos e as aberrações de uma época, onde as crianças eram vistas como meros objectos.Mal tratadas e mal vestidas,fazem filas nas instituições geralmente geridas por pessoas frias e com pouco interesse no seu verdadeiro desenvolvimento.
O que fascina em Oliver? O burlesco, o musical, os arquétipos.
Nesta cena, ver a coreografia,os movimentos e a expressividade dos jovens actores. Deixar-se levar pela música e a beleza das vozes, dotadas de um técnica vocal impressionante, que nos envergonha perante certas escolas musicais, onde os alunos simplesmente abrem a boca e cantam , sem nenhum requinte musical.
Aplaudam este senhor, porque Oliver, o musical, já comemorou quase 40 anos.


sábado, 15 de maio de 2010

BILLY ELLIOT, O MUSICAL

Já imortalizado pelo belíssimo filme, Billy Elliot, é agora tema de um musical.
História que levou milhares ao cinema, por contar de forma apaixonante a vida de um adolescente, que descobre que o quer ser e o que dá significado a sua vida - é a dança.Billy Elliot enternesce por que fala de seguir o sonho,aceitar-se quem se é, e ser diferente.
Contrariando a prática comum do trabalho em Arte infantil ou juvenil, Billy Elliot inova, por não encher o palco de coisas conhecidas: bichinhos ,flores e coisas afins.Definitivamente,um exemplo a seguir.