terça-feira, 24 de agosto de 2010

O SAPO APAIXONADO - MAX VELTHUIJS

Este livro é  para pequeninos, muito pequeninos.















Num dia comum , o sapo, sente-se estranho.
Fica preocupado.O coração palpita, uma estranha melodia que não conhece.
Sem saber o que fazer, procura um amigo, que diz que o sapo deve estar febre...
Mas o sapo não acredita,  deve ser algo diferente...
E então caminha à procura da resposta. O que será que tem o sapo?
O sapo está apaixonado pela pata branca!
Max Velthuijs, ilustrador e autor holandês

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

MAS AFINAL, PORQUE FAZER TEATRO?

É simples, as técnicas teatrais estão ocupando actualmente espaço na formação profissional e recebendo adeptos de diversas profissões.
Políticos fazem cursos de teatro, para melhorar a oratória. Advogados fazem cursos de teatro, para aprender como utilizar a sua expressividade. Professores fazem cursos de teatro, para aprender jogos dramáticos e utiliza-los em sala de aula.
O teatro além de ser uma arte de entretenimento, é uma arte extremamente rica ,porque integra várias áreas do conhecimento humano.
Claro que ninguém é obrigado a fazer teatro, e que, antes de fazer a sua inscrição, é importante que se pergunte: o que pretendo com esta experiência?
Desta forma, poderá escolher fazer  um curso de formação de ator- com intuito a profissionalizar-se, ou, fazer um curso de curta duração, voltado para o desenvolvimento de competências comunicacionais.
Mas se ainda estiver em dúvidas, veja algumas aprendizagens que poderá conquistar:

TRABALHAR A VOZ

Sim, trabalhar a voz e conhecer os mecanismos da fala, é matéria muito importante para qualquer profissional . Durante o curso,vai aprender a respirar saudavelmente e a articular bem.
Em pouco tempo, se sentirá seguro e a sua comunicação melhorará a 100%.

TOMAR CONSCIÊNCIA DO CORPO

Palavra chave: postura. Através de exercícios variados, que incluem dançar, movimentar-se no espaço ou até  mímicas, pouco a pouco, vai tomar consciência do seu corpo, ao aprender movimenta-lo livremente.
Esqueça a velha ideia de andar com um pesado livro na cabeça para conquistar um andar seguro e confiante. No teatro, o corpo é trabalhado de dentro para fora.
Primeiro: a pessoa aprende a observar o seu corpo, depois: a expressa-lo.
FAZER PARTE DE UM GRUPO

Sendo uma arte que valoriza o domínio sócio afetivo, aqui seguramente vai aprender a "saber estar".
Claro que esta aprendizagem também depende da sua capacidade individual de doar-se de forma honesta e verdadeira.O grupo investirá em si, o que investir no grupo.
Falar de si, demonstrar afeto, ter um espaço sem críticas para expressar-se , fazem parte da pratica diária de um grupo de teatro.Ao entrar em contacto com as suas emoções, e com as emoções do outro e das personagens, vai claramente aumentar os níveis de assertividade e empatia, que são tão importantes para uma vida plena.

O TEATRO AJUDA A VENCER A TIMIDEZ



Sim, o teatro ajuda a vencer o medo,e por isso, se acredita que é tímido, não perca mais tempo, inscreva-se num curso de teatro e aprenda a comunicar melhor.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

UMA VERDADEIRA INSPIRAÇÃO - TED no BRASIL

Tenho visto, um pouco espalhado por onde ando,palestras, livros de grandes teóricos, educadores e criativos. Muitos deles de outras nacionalidade e poucos representantes da língua portuguesa.
Fica sempre presente, na minha cabeça, o porque, a razão. Acredito que muito disto acontece, pela pouca capacidade que temos de valorizar a gente da terra, e porque na nossa pequenez, o que o outro tem, é mais bonito e tem mais valor.
Não quero parecer nacionalista, porque simplesmente não sou, acho os nacionalistas,gente pouco tolerante com outras realidades, e por isso; gente perigosa e de mente estreita
Mas a vivência cultural é soberana, e a vida na educação dos que falam português, tem caracteristicas próprias, que bom é poder nos conhecer e compartilhar.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

ESCOLA DO ROCK

Imaginem só, se o ensino artístico abandonasse as velhas ideias, e nas escolas de música, além de música clássica, houvesse espaço para a música tradicional, jazz,rock, pop, blues...etc.

Com certeza, outros acordes se ouviriam...


Trecho do filme, Escola do Rock, que pode ser encontrado em DVD, em qualquer espaço comercial.
Um filme simples, sem grandes pretensões, mas que toca num assunto sempre pertinente: o papel das artes no desenvolvimento do jovem.

NÃO É UMA CAIXA

Pensar numa caixa e...transforma-la.


O que pode acontecer com uma caixa, quando as mãos a investigam?
Mãos investigadoras, cá entre nós , trazem milagres ao mundo e com certeza criam novos significados.
Que exercício criativo, pode ser, transformar uma caixa em diferentes objectos.
Pensar e escrever possibilidades:
  • Caixa-balão
  • Caixa- futão
  • Caixa- edifício
  • Caixa -barco
  • Caixa- helicóptero
  • Caixa, caixa e mais caixa.
Não ter medo de rasgar, mudar a forma e criar um novo objeto a partir do objeto - CAIXA.

Já pensou em criar um cenário só com caixas,todas empilhadas e pintadas?
Já pensou em criar um guarda livros, com uma caixa bem decorada?
Já brincou de abrir uma caixa para depois transforma-la numa escultura?

Bem, o mundo das ideias e Criatividade, sugerem a plena experimentação. Mas apenas com liberdade, tempo e num ambiente sem criticas e com abertura de ideias, será possível desenvolver um olhar que observa tudo e transforma a sua realidade. Vale a pena o esforço.

Quem conta esta história é um coelho, criado por Antoinette Portis, vencedora do melhor Livro Ilustrado do New York Times em 2007.O livro é um jogo; provoca o pensamento, conduzindo o leitor a observar que uma caixa pode ser...o que você estiver disposto a criar.
Um exercício de possibilidades, explorado através de uma ilustração minimalista, com apenas quatro cores na sua paleta; preto,amarelo,branco e vermelho.
Mas economia nas cores não está relacionada com economia de ideias.Aqui, a proposta é falar das múltiplas capacidades de transformação de um objecto.
E já que falamos em leituras, não é a mais plena verdade, que a leitura é um processo dinâmico? E quem pensa em dinâmica, reflete o papel da animação da leitura, ou seja, o que fazer após a leitura do livro?
Pode ser divertido, criar um laboratório de ideias, onde vários objetos podem ser transformados: caixas, cadeiras, guarda-chuvas etc.
Crescer com a certeza, que tudo que nos rodeia pode transformar-se, porque se mantivermos o olhar aberto e o pensamento divergente, não há limites para a Criatividade.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

O LADO DIREITO E O LADO ESQUERDO DO CÉREBRO


Uma parte de mim, gosta de flores.Deita na relva e se mistura com os cheiros e as pedras.
Observa as coisas com os olhos húmidos e perde o olhar e o tempo.
É romântica, criativa, sonhadora.
Vive de cabeça para baixo, tem fogo no rabo e não para quieta.
Canta e escreve.Imagina e Sonha.
Faz filmes: tragédias,comédias, brinca aos cowboys e tem uma leveza sem fim.
É o meu mundo criativo, e ,cheio de representações.

Outra parte de mim é rígida.
Organiza o mundo ,selecciona o pensamento, critica.
É pura racionalidade e pragmatismo.
É o meu mundo racional e adulto, é a minha parte analítica.

Vivem dentro de mim estes dois mundos. As vezes, equilibrados, outras vezes, em desequilíbrios.
Passo a vida como um trapezista.
Os meus mundos oscilam, pendem,descarrilam, mas estão sempre em movimento.
Eu pensava que isto era poesia, mas dizem que neurologicamente, somos todos um pouco assim.

Durante o tempo em que estamos  vivos, devemos tomar conta deste grande jardim, que é o nosso cérebro; cuidando da nossa racionalidade, sem matar o encanto; vivendo do pão, sem perder o sonho; amando a poesia e o por -do -sol, sem esquecer que as vezes, o preto e o branco são os tons do momento.

E é por isso que sei ,que tudo é inconstante ,e, que somos pura dualidade.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

AS MELHORES COISAS PARA FAZER NO VERÃO

O Verão já chegou do lado de cá, veio assim, meio tímido e sobranceiro, depois de um Inverno malvado e turbulento.
Espalhou os raios, com uma incerteza própria dos dias em que vivemos, e depois de muita demora, se instalou.
Agora,o calor embaraça as saias nas pernas das mulheres que passam.Faz  o juizo ficar perdido, aos pobres  que cumprem a rotina do trabalho; e aumenta a vontade de se banhar em água salgada.
Quando chega o Verão, eu não faço nada, sou menina que cresceu embalada na rede, sei viver de brisa.
Para diminuir o meu derreter, tão comum em dias de fogo, fico ali, meio descansada, meio desmaiada, à procura do vento. Mas estes tempos de ócio, lembram coisas lindas, boas de se deixar fazer...

NAMORAR

Esta é, com certeza, a opção mais votada. Atarefados e cansados do corre e corre da semana, quase não há tempo para namorar.Os dias passam rápido e falta tempo para aquela conversa tranquila que nos organiza o pensamento, impossibilita que o ambiente romântico se instale.
Quando as férias se instalam não há desculpas para não se deixar  ficar agarradinho, sem ter que se preocupar ou preparar as coisas para o dia seguinte.
O Verão chegou, e com ele , o tempo para os abraços, para uma tarde na esplanada que pode durar o tempo que desejarmos. Sim ,porque o convívio tão celebrado no Verão,não deve deixar de dar espaço ao tempo do casal de estar só, acompanhado apenas da sua intimidade.
São estes momentos que com certeza, recarregam as baterias para um ano cheio atribulações,no final das férias.Verão, tempo de carícias.

DORMIR,DORMIR,DORMIR

Sem dúvida, que colocar o sono em dia, ou deixar-se embalar naquele sono à tardinha, com uma leve brisa por perto, é algo que sonhamos durante todo o ano. Calor, sombra e sono combinam muito bem.
É tempo de deixar os lençois branquinhos da cama, com cheiro a baunilha, plenos de satisfação, quando simplesmente deixamos o corpo relaxar e a mente viajar para bem longe.

COMER FRUTA

Saudades de subir nas árvores e morder o fruto fresco. Lembrança bonita de quem passou a vida de criança, no meio do mato a provar: pitangas, goiabas, carambolas, jabuticabas, frutas bonitas e cheias de cor, que lustravam com o toque do sol.
As árvores estão distantes, mas o prazer de trincar o pêssego e de comer fruta madura é indescritível.
E porque o corpo pede descanso das comidas mais apimentadas e fortes, o tempo urge em deixar-se levar pela leveza das saladas e dos frutos.

domingo, 8 de agosto de 2010

O CAOS DO VERÃO

Papeis por todo lado...quem disse que Verão rima com arrumações, enganou-se.
Na mesa da bahiana tem:
  • caixinhas e mais caixinhas
  • aparadores, agrafos, clipes, borrachas que não apagam...
  • livros emprestados, livros de trabalho; livros que não foram lido;livros bons para ler; livros que estão por ali...
  • canetas coloridas; velhas usadas; sem dono; sem paciência de esperar a sua vez.
Um caos na mesa, um caos na cabeça e trabalho prestes a sair...

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

A REVISTA CRESCER ENTREVISTA SUZY LEE, autora de ONDA e ESPELHO



A Revista Crescer, no Brasil, tem feito um trabalho inovador a nível da literatura infantil. Ao contrário das outras revistas, não limitou-se em ter uma página onde sugere leituras.Foi mais além e investiu tempo, em criar um diálogo muito importante; aproximar os criadores do seu público.
As entrevistas são informais -com aquele gostinho de Brasil-  carregadas de boa disposição e com um fundo musical de arrepiar os cabelinhos da nuca.Tenho que contar a verdade, fiquei morta de saudades...
Acredito que abrir as cortinas e revelar os segredos e  processos criativos dos ilustradores, é uma forma muito eficaz de valorizar um trabalho artístico, que nem sempre tem sido levado à sério, como deveria ser.
Em Portugal, há poucos ilustradores a viver apenas de ilustração...
Mas de volta ao vídeo, fiquei de queixo caído com a simpatia de Susy Lee, autora e ilustradora coreana, que escreveu  Onda e Espelho . Vale a pena conhecer o seu trabalho, e se ainda não conhece nenhum dos seus livros, corra para a livraria mais próxima e vá buscar o seu.

Sir Ken Robinson, pede uma Revolução na Educação.

Sir Ken Robinson causou furor, quando em 2006, numa das conferências organizadas pelo TED, (Tecnologia, Entretenimento e Design) afirmou categoricamente que as escolas matavam a criatividade das crianças. Foi crítico com o sistema de ensino por continuar a ser demasiado cerebral,voltado para resultados cognitivos e com pouca abertura para as artes e criatividade.
O autor, pedagogo e palestrante, após o lançamento do seu livro: O Sétimo Elemento- ainda não publicado em Portugal- mais uma vez pede por uma revolução na educação e no sistema educativo.
Assim como Rubem Alves, alerta para "o negócio das universidades", e afirma que  mais importante do que  simplesmente "tirar um curso" ,é seguir a sua paixão e encontrar o que realmente gosta de fazer.
Como já apregoam os Humanistas há muito tempo, o importante é conhecer-se quem se é, e encontrar uma profissão que seja a expressão do seu Self Verdadeiro.
Parece que há muito tempo andamos neste diálogo...
A palestra tem 18 minutos e aconteceu no TED deste ano.
Deixo dois fragmentos ,traduzidos para o espanhol,obrigada a amiga espanhola!
Não tenho o menor jeito para tradução...



A segunda parte da conferência

domingo, 1 de agosto de 2010

CÃO RAFEIRO DE STEPHEN MICHAEL KING

Com a casa fresquinha e os papeis já arrumados dentro da gaveta, chegou a hora do prazer: vamos falar de livros!
É impossível não se render a beleza deste álbum ilustrado -  Cão Rafeiro, do autor e ilustrador australiano,Stephen Michael King. 
Garanto ao leitor que sua leitura será rápida, porque este, é um daqueles livros que devoramos em segundos. Mas aviso, que a sensibilidade e a esperança que habitam em cada folha deste álbum, lhe acompanharão por muito tempo...
Era uma vez um cão, que ninguém queria, que não tinha nome - nome não é algo que alguém nos dá, porque nos reconhece?! - Vivia pelas ruas livre, mas sozinho, até que um dia alguém o adota. Quando isso acontece, a sua vida modifica-se, o cão abandonado passa a ter um nome, uma família, momentos de partilha e muito amor.
O livro emociona por vários motivos; as suas ilustrações simples, mostram uma cidade onde diferentes pessoas das habituais personagens dos livros infantis vivem: gente simples e humilde.Há  frio e abandono, mas há empatia e solidariedade .
Ao "ler as imagens",temos uma constante sensação de movimento. Sentimos o vento das ruas, o frio da noite na longa fila de espera dos sem abrigo, à procura de uma refeição quente, o cheiro do primeiro banho e o calor de estar com uma lareira por perto.
Em alguns momentos nos identificamos com este cão, afinal quem nunca se sentiu sozinho a viver na imensidão de uma grande cidade?
Mas como não existe remédio mais eficaz que a bondade, a bondade da senhora que trabalha na casa dos sem abrigo, resgata o cão do abandono e lhe dá aquilo que todos nós sonhamos: uma família afectuosa que nos ama, cuida e dá significado a nossa vivência. Uma familia com irmãos e bichos; uma familia que brinca; uma família que dramatiza;conta histórias e aconchega-se.
Um belo livro que fala da adoção, esperança, solidariedade, animais e afectos. Indispensável nas prateleiras dos mais sensíveis.

Cão Rafeiro
Autor e ilustrador, Stephen Michael King
Editora Caminho
Colecção Jardim das Borboletras